FLOR DA LIBERDADE – Miguel Torga

FLOR DA LIBERDADESombra dos mortos, maldição dos vivos.Também nós… Também nós… E o sol recua.Apenas o teu nome continuaA sorrir como dantes,Liberdade!Liberdade do homem sobre a terra,Ou debaixo da terra.Liberdade!O não inconformado que se dizA Deus, à tirania, à eternidade. Sepultos insepultos,Vivos amortalhados,Passados e presentes cidadãos:Temos nas nossas mãosO terrível poder de recusar!E é essa…

Abril – Rui Namorado

abril 2. Abril é uma palavra abandonada à vertigem de todos os mistérios um tempo aberto   rigoroso   puro a casa que sabemos e nos espera mil vezes esquecidos    nunca ausentes cabemos neste mês de corpo inteiro somos nós os recantos deste Abril Rui Namorado em SeteCaminhos, Coimbra: Fora do Texto, 1ª edição,…

Portugal – Alexandre O’Neill

Portugal Ó Portugal, se fosses só três sílabas,linda vista para o mar,Minho verde, Algarve de cal,jerico rapando o espinhaço da terra,surdo e miudinho,moinho a braços com um ventotestarudo, mas embolado e, afinal, amigo,se fosses só o sal, o sol, o sul,o ladino pardal,o manso boi coloquial,a rechinante sardinha,a desancada varina,o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos,a…

MINHA LOUCURA – Gabriel Celaya

MINHA LOUCURA Depois de muito andar, muito perder, muito lutar, dizem-me: «Para quê?» Eu digo simplesmente: «Para viver melhor.» Dizem-me: «Como assim, se tu vives bem? Que queres mais, diz?» Eu respondo sem jeito: «Não sei.» É o que desejo para todos, e digo para comigo: «Claro que estamos bem!» E continuo a trabalhar o…