A FÁBRICA – Vasco Gato

A FÁBRICA

                                         Como um enxame,
o zumbido dos televisores. Será assim
a noite inteira.
                     A luz difundida por esses ecrãs,
                                                      se somada,
daria para derreter milhares de corpos.
Mas este é o pior dos holocaustos:
sem grilhões,
           sem divisas,
           sem valas comuns.
Apenas o leito quotidiano. E retinas
para sempre escancaradas
na hipnose do merecido descanso.
                                              Os bairros
amontoam-se como plaquetas.
Os candeeiros poupam
                           a opacidade da insónia,
                                           oferecendo
um tecto onde abrigar olhos
injectados pela limalha das jornadas cumpridas.
                                             Serão em breve
necessárias gruas para levantar esses corpos,
                       prostrados no sal
do próprio suor. Serão em breve
                                           necessárias
electrocussões capazes de restabelecer
                                                       a biologia.
O transe dos mortos,
                          reabilitando-os,
                          iludindo-os de vida.
Transeuntes da decadência,
soterrados sob
            camadas e camadas
                         de detritos verbais.
                         Eis uma religião
despojada da sua liturgia:
                                     não há ascensão,
é-vos concedida
               a todo o momento
a comunhão com a fonte da vida.
É essa a única dádiva,
                          morrer
                          e tornar a morrer.

in A Fábrica, Língua Morta

Este artigo encontra-se em: voar fora da asa http://bit.ly/2EgPdhp

Anúncios