Golpe sobre golpe dos lacaios do Império

Com patrocínio do governo golpista do Brasil, chanceleres de quatro países do Mercosul tomam decisão infame contra a Venezuela

O grande democrata e impoluto Temer è reconhecido pela U.E e Trump 

Ontem sábado (5), os chanceleres dos países fundadores do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) decidiram “aplicar a cláusula democrática”, que amplia a suspensão da Venezuela do bloco económico regional.

O chanceler do governo golpista e usurpador do Brasil, Aloysio Nunes, informou em conferencia de imprensa na sede da Prefeitura de São Paulo, onde se realizou a reunião de chanceleres do Mercosul, que estes determinaram uma “suspensão de natureza política, por consenso, contra a Venezuela”.

O secretário de Política e Relações Internacionais do PCdoB, José Reinaldo Carvalho, emitiu uma declaração em nome do partido. “Trata-se de uma decisão infame, tomada por um governo ilegítimo que cobre de ignomínia o Brasil e seu povo, ao patrocinar e sediar a reunião. A decisão contraria o espírito democrático e fraterno de nosso povo, as relações de amizade entre brasileiros e demais povos latino-americanos com a nação irmã. O despautério dos chanceleres dos países fundadores do Mercosul não encontra respaldo no Direito Internacional nem no Protocolo de Ushuaia. Carente de fundamentos, baseada em falsos pretextos, é uma decisão inválida”, expressou o dirigente comunista.

A decisão foi de pronto rechaçada pela Chancelaria venezuelana, em declaração lida pelo ministro das Relações Exteriores, Jorge Areeaza. Leia abaixo a íntegra da nota do governo bolivariano.
A República Bolivariana da Venezuela protesta e rechaça energicamente a Declaração emitida em São Paulo, Brasil, datada de 5 de agosto de 2017, assinada pelos chanceleres de Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, mediante a qual pretendem aplicar ilegalmente à Venezuela o Protocolo de Ushuaia sobre o Compromisso Democrático no Mercosul.

A República Bolivariana da Venezuela alerta os povos do mundo ante a grosseira ingerência dos que distorcem os caminhos legais para provocar intervenções erráticas, violadoras dos mais elementares princípios do direito nternacional. Nefastos interesses contráros à integração transformaram o Mercosul em um órgão de perseguição política contra a Venezuela ao procurar avançar em uma senda de ilegalidade e intolerância política semelhante à que foi submetida a República de Cuba nos anos 60 do século passado.

Este artigo encontra-se em: FOICEBOOK http://bit.ly/2ugBbHY

Anúncios