Maduro defende poder do voto e pede respeito internacional

30 de julho de 2017

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, reafirmou neste domingo (30) que o exercício democrático do voto é um direito político, humano e constitucional que tem raízes no poder soberano do povo venezuelano e que nada nem ninguém pode impedir.

O chefe de Estado ressaltou que foi ao seu centro de votação em Catia, no Oeste de Caracas, depois do Toque de Diana (toque de despertar) para dar o exemplo e colocar o primeiro voto pela paz nas eleições à Assembleia Nacional Constituinte (ANC).

“Quis ser o primeiro voto pela paz, a independência, a soberania e pela tranquilidade futura da Venezuela” e “não há poder algum que possa impedir o povo da Venezuela de exercer seu direito ao voto”, ressaltou, no início da jornada eleitoral para a qual estão convocados19 milhões, 477 mil e 387 votantes de todo o país para eleger através do voto direto, universal e secreto 537 constituintes.

O chefe de Estado instou a comunidade internacional a ver, respeitar e apoiar a vontade democrática da maioria do povo venezuelano que neste domingo está expresando-se desde as primeiras horas da madrugada nas eleições.

“Oxalá o mundo estenda seus braços de respeito para nossa pátria querida”, ressaltou o mandatário nacional, depois de enviar uma mensagem de paz, de diálogo e encontro a todo o povo venezuelano e aos países que pretendem desconhecer o direito político constitucional que o povo venezuelano tem de dirimir suas diferenças através de eleições livres, diretas, secretas e universais.

Ler artigo em: Associação de Amizade – Portugal/Cuba: Home http://bit.ly/2tUf3Do

Anúncios