Paralisação total nas principais unidades da Petrogal

Arménio Carlos visitou o piquete de greve na refinaria de Matosinhos. O secretário-geral da CGTP-IN esteve na refinaria de Matosinhos, em solidariedade com os trabalhadores da Petrogal em greve até segunda-feira. Protesto paralisou as principais unidades da empresa. A greve teve início ontem, quarta-feira, dia em que contou com adesões entre os 50% e os 100%, na refinaria de Sines, onde a principal unidade de produção está paralisada, assim como os serviços de manutenção. Na refinaria de Matosinhos, a adesão era ontem de 100%, indicou a Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (Fiequimetal/CGTP-IN). Ao início da tarde de hoje, Arménio Carlos deslocou-se à unidade do Norte do País em solidariedade com os trabalhadores que participam no protesto, que se vai estender até dia 31, segunda-feira. Os trabalhadores estão contra a «eliminação de direitos específicos do trabalho por turnos» e a «desregulação e o aumento dos horários», também por via do banco de horas, que, denunciam, «visam pôr os trabalhadores a trabalhar mais por menos salário». Exigem que a administração «pare a ofensiva» contra a contratação colectiva e os direitos sociais, e que a riqueza produzida seja distribuída pelos trabalhadores, conseguindo assim melhores salários. A Fiequimetal pretende reunir com o ministro do Trabalho, que, por força dos incêndios florestais, adiou há mais de um […]

Ler artigo em: PORTUGAL / BRASIL – elcomunista.net http://bit.ly/2h6CKCt

Anúncios