Temer não tem política para combustíveis renováveis, reclamam patrões

O empresariado continua chiando em relação ao aumento de impostos dos combustíveis. Desta vez, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) criticou a decisão do governo de Michel Temer de aumentar a alíquota do Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) dos combustíveis. De acordo com a entidade, as alterações de tributos irão prejudicar a competitividade do etanol em relação à gasolina. “Infelizmente, o que se constata nessa decisão do governo é que não há qualquer traço de política pública para viabilizar o consumo de combustíveis renováveis. Se houvesse, o etanol teria ficado fora desse aumento de tributos”, avalia a Unica. Ao anunciar o aumento, o governo disse que foi necessário por causa da queda na arrecadação. A Unica enfatizou que a medida “deveria preservar a relação de 70% do preço do etanol em relação à gasolina, o que faz com que o álcool combustível seja mais vantajoso para a utilização em carros flex”. Antes da declaração da Unica, outras entidades representantes da indústria, como Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e Confederação Nacional da Industria (CNI) haviam reclamado. Segundo as entidades, o aumento não vai resolver a crise e vai […]

Ler artigo em: PORTUGAL / BRASIL – elcomunista.net http://bit.ly/2tRUMZZ

Anúncios