Há-os para todos os gostos…Tavares

O Tavares Rico já não é o que era, mas há outros no menu mediático.
Temos para quem gosta de cavernícolas o MJT, já aqui referido, incomodado com o facto da “condescendência” com que o PCP é tratado. Ele e outros como ele incitam a que se trate do caso que ofende a oligarquia. Enerva-os e incomoda-os que a verdade possa ser dita tão frágeis são as mentiras mesmo mil vezes repetidas. Eles não toleram sequer um sopro de realidade. A defesa da mentira atinge então o toque do irracional, um ódio que cimenta o anticomunismo.
Temos a ignorância pesporrente de MST, de diferente postura intelectual assume a habilidade para falar do que não sabe, nem quer saber porque se considera superiormente dotado. Serve-se frio para quem não gosta de pensar muito. Assim, banalidades apresentadas como rebuscadas lucubrações servem para distrair do essencial, atacar o que possa chocar a oligarquia e fingir que se critica o que a oligarquia tolera sem se comprometer. Ignorância, sim porque ignorante não é o que não sabe – ninguém sabe tudo – é o que não quer aprender. Se quisesse tinha pelo menos percebido que todos os países em que se fez e faz sentir a ingerência do imperialismo (EUA, UE) são vítimas de tragédias humanitárias, de destruição e vivem no caos – tudo em nome dos “direitos humanos”, do “Consenso de Washington”. e da “democracia oligárquica” (um oximoro).  É bem um exemplo de como a “intelectualidade”  ao serviço do capital está de rastos.
Como sobremesa, temos o RT, uma espécie de factótum de esquerda com autorização para falar e escrever nos media. Parece que não entende ou não quer entender nada do mundo em que vive e por isso debita teorias sem consistência, pensamento oco, em arrevesadas dissertações metendo os pés pelas mãos defendendo coisinhas que servem de gáudio à direita pela parolice dos que promovem como esquerda. Um especialista em jogos florais como era uso há 100 anos, agora não para elogiar belas meninas, mas a decadência da UE e da sociedade capitalista. É a “esquerda” que o capital gosta para ter ao seu serviço. É a cerejinha no cimo do bolo (oligárquico) que se põe logo de parte ao parti-lo e só os infantis ou os viciados ingerem.
Sim, há-os para todos os gostos, mas apenas diferem na condimentação. A receita base é a mesma massa : anticomunismo, defesa intransigente da esfrangalhada UE e da sua pseudo “democracia oligárquica”

Este artigo encontra-se em: FOICEBOOK http://bit.ly/2tmPBSC

Anúncios