Estamos no bom caminho

“É impressionante a força desta armadilha sedutora.”
A diarreia dá nisto, a aflição repentina, um jornal onde fazer a descarga, o mau cheiro e os queixos enlambuzados.
“Somos todos demasiado complacentes com o PCP”
Olhem bem paele e digam-me se não mete medo.
“Álvaro Cunhal metia medo.”
“à pele tisnada de Jerónimo de Sousa, aos sulcos campesinos”
Não calculam o bem que me faz ver estes rastejantes espojando-se nos seus próprios dejetos verbais, esta raiva que não conseguem disfarçar, a inveja que têm dos bombistas – Ramiro Moreira, cónego Melo, Júlio Regadas – e de não terem coragem para deitar fogo aos Centros de Trabalho do PCP.
Estes vómitos são a expressão clara da incapacidade que a extrema-direita tem em agir como no “verão quente” de 75 e da desorientação a nível ideológico para se impor. São a náusea que se espraia nos media onde dejetam.

Este artigo encontra-se em: as palavras são armas http://bit.ly/2u42a9m

Anúncios