AD PETENDAM PACEM – Paulo Quintela

AD PETENDAM PACEM
Trapos chagados em pés de peregrinos
trôpegos e contusos;
vendas nos olhos baços e bovinos
e nos espíritos obtusos –
Paz pra lamber as feridas
do arrocho e da fome;
paz para as crostas, para o fedor que nos come
nas cabanas infectas e nas ruas compridas;
paz que nos livre de todo o mal;
paz na paciência pétrea, medieval –
Paz podre, paz divina;
paz e paciência sobre-humana,
desumana,
asinina.
8/9-V-67 Vértice nº 406-407

Este artigo encontra-se em: voar fora da asa http://bit.ly/2uDwyDG

Anúncios