Um artigo de 2016

Passos,  vê lá se
aprendes alguma coisa !

«(…) A partir da segunda década do século XX, apesar dos alertas ambientalistas, efectuaram-se intensas, contínuas e desordenadas arborizações com eucalipto, tendo-se criado a maior área de eucaliptal contínuo da Europa. Sendo o pinheiro resinoso e o eucalipto produtor de óleos essenciais, produtos altamente inflamáveis, com pinhais e eucaliptais contínuos, os incêndios florestais tornaram-se não só frequentes, como também incontroláveis. Desta maneira, o nosso país tem já algumas montanhas transformadas em zonas desérticas.Sempre fomos contra o crime da eucaliptização desordenada e contínua. Fomos vilipendiados, maltratados, injuriados, fomos chamados à Judiciária, etc. Mas sabíamos que tínhamos razão. Infelizmente não vemos nenhum dos que defenderam sempre essa eucaliptização vir agora assumir as culpas destes “piroverões” que passámos a ter e que, infelizmente, vamos continuar a ter. »
(…)

É bom também elucidar que os eucaliptais só são lucrativos até ao terceiro corte (30 anos). Depois disso, estão a abandoná-los, o que os torna um autêntico “rastilho” ou, melhor, um terrível “barril de pólvora”, áreas onde os seus óleos essenciais, por vaporização ao calor, são explosivos e, quando a madeira do eucalipto começa a arder, provocam a explosão dos troncos e respectiva ramada, lançando ramos incandescentes a grande distância. Este “fenómeno” tem sido bem visível nos nossos “piroverões”.
Artigo integral aqui em
«os papéis de alexandria»
(divulgado Artur Pinto em mail) 

Este artigo encontra-se em: o tempo das cerejas 2 http://bit.ly/2tc1lbb

Anúncios