MST se soma às paralisações e greves do dia 30 contra reformas

Depois do sucesso da Greve Geral do dia 28 de abril, quando o Brasil parou contra as reformas trabalhista e previdenciária do governo ilegítimo de Michel Temer, diversas categorias de trabalhadores devem cruzar os braços novamente na próxima sexta-feira (30). A convocatória da greve partiu das centrais sindicais e de movimentos populares que se agrupam nas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e já conta com a adesão de diversas categorias. Kelly Mafort, da Direção Nacional do MST, explica porque o movimento se soma a esta convocação. “Essas reformas têm a ver com a conjuntura que vivemos no país, de aceleração da perdas de direitos tão agressiva, tão avassaladora, que nos leva a uma condição de profundo retrocessos quase ao tempo da escravidão, como é o caso da reforma trabalhista em relação ao campo”, afirmou, ao fazer referência a uma das medidas incluídas na PL 6442/2016, que tramita no Congresso, e que prevê alimentação e habitação como formas de remuneração ao trabalhador rural. “Por outro lado – completa – há enormes retrocessos em relação à garantia dos direitos fundamentais, como a organização popular, por meio da criminalização da luta. Estamos acompanhando agora mudanças na chamada lei antiterrorismo, justamente no […]

Ler artigo em: PORTUGAL / BRASIL – elcomunista.net http://bit.ly/2tZzqv1

Anúncios