Jogos de poder na Arábia Saudita



El rey Salman ben Abdelaziz Al-Saud, de 81 años, depuso de todas sus funciones al príncipe Mohammed ben Nayef Al-Saud, de 57 años, quien hasta ahora ostentaba el título de príncipe heredero así como los cargos de viceprimer ministro y ministro del Interior de Arabia Saudita.
De esta manera, el propio hijo del rey, o sea el príncipe Mohammed ben Salman Al-Saud, de 31 años, se convierte, de hecho, en el nuevo príncipe heredero.
El príncipe Mohammed ben Nayef Al-Saud, quien hizo sus estudios en Oregón (Estados Unidos) y posteriormente se formó en el FBI y en Scotland Yard, estaba considerado como el hombre de Estados Unidos en Arabia Saudita y había obtenido resultados en la lucha contra algunos disidentes de al-Qaeda. Su marginación pone fin a las esperanzas de la rama de los Nayef de alcanzar el trono.
Por su parte, el príncipe Mohammed ben Salman carece de formación académica. Detenta, cuando más, un título de bachiller obtenido en una escuela local pero se ignora si ese título realmente corresponde a la realización de verdaderos estudios. Hizo su debut en política como asistente de su padre, el actual rey, cuando este último fue gobernador de Riad y posteriormente ministro de Defensa.
En 2015, cuando el rey Salman accedió al trono, fue su hijo, el príncipe Mohammed ben-Salman, quien se convirtió en ministro de Defensa e implicó al ejército de Arabia Saudita en la agresión contra Yemen, que está resultando desastrosa para las tropas sauditas. Disponiendo del poder real por procuración, el hijo del rey presentó Visión 2015, un amplio proyecto de reforma política que prevé la privatización de ARAMCO –única fuente de divisas de Arabia Saudita– y desarrollar el reino sin contar para ello con la industria del petróleo.
A pesar de lo anterior, el hijo del rey Salman es conocido sobre todo debido a su trayectoria como miembro de la jet set y por la compra del enorme yate Serene (ver foto) en 500 millones de euros.
Todo indica que el rey Salman tendría que abdicar próximamente dejando a su hijo en el poder. Eso resolvería temporalmente la difícil cuestión de la sucesión en Arabia Saudita, donde hasta ahora el trono pasaba a manos del mayor de los hijos del fundador de la dinastía Saud. El actual rey Salman es el 25º de los 53 hijos de Abdelaziz ben Abderrahman Al-Saud, el primer rey de Arabia Saudita.
En enero de 2015, al morir el rey Abdallah, su medio hermano el príncipe Mukrin ben Abdelaziz Al Saud fue nombrado príncipe heredero. Pero 3 meses después, en abril de 2015, fue separado abruptamente del orden de sucesión –algo que nunca había sucedido antes– y reemplazado por el príncipe Mohammed ben Nayef, que ahora acaba de correr la misma suerte.
Como premio de consolación, la rama de los Nayef obtuvo que sea un yerno del príncipe Mohammed ben Nayef quien reemplace a este último como ministro del Interior. Y si se decidió recurrir a un yerno es porque Mohammed ben Nayef no tiene ningún hijo varón.
El nuevo príncipe heredero, de 31 años, podría reinar alrededor de 50 años. Pero si muriera relativamente joven, su sucesor sería su hijo, incluso si aún fuese menor de edad.
La solución adoptada para resolver el problema de la sucesión en Arabia Saudita recibió la aprobación de Estados Unidos y fue adoptada por 31 de los 34 miembros del Consejo de Fidelidad, que en realidad es un consejo de familia de los Saud.
Con esa solución, la sucesión se salta 2 generaciones. De hecho, el príncipe Mohammed ben Salman está poniendo jóvenes a la cabeza de las diferentes administraciones de Arabia Saudita, país donde la edad media de la población es de 27 años.

E
House of Cards (sauditas): A história por dentro 
Pepe Escobar Пепе Эскобар 
Traduzido por  Coletivo de tradutores Vila Vudu

Bem quando comentaristas de geopolítica recolhiam apostas para uma mudança de regime no Qatar – orquestrada por uma Casa de Saud desesperada –, a mudança de regime acabou por acontecer em Riad, orquestrada pelo Príncipe Guerreiro, Destruidor do Iêmen e Bloqueador do Qatar, Mohammad bin Salman (MBS).

http://bit.ly/2rZFVNb
O rei Salman e MBS

Considerando a impenetrabilidade daquela oligarquia familiar do petrodólar do deserto travestida de nação, dar conta desse mais recente Game of Thrones árabe é tarefa de uns poucos estrangeiros com acesso garantido. E também não ajuda, que o abundante dinheiro dos lobbies sauditas – e dos Emirados – em Washington reduza virtualmente todos os think-tanks e jornalistas venais, à mais abjeta máquina de calúnia e difamação.
Alta fonte no Oriente Médio, próxima da House of Saud, e dissidente de facto do consenso da Av. Beltway, não poupa palavras: “A CIA está muito insatisfeita com a demissão do [ex-príncipe coroado] Mohammad bin Nayef. Mohammad bin Salman é visto como patrocinador de terroristas. Em abril de 2014 todas as famílias reais dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita estiveram à beira de serem derrubadas pelos EUA, por causa do terrorismo. Fez-se então um acordo, pelo qual Nayef assumiria o Reino, para pôr fim ao terrorismo.”
Antes do golpe de Riad, uma insistente narrativa percorria seletos círculos geopolíticos no Oriente Médio, segundo a qual a inteligência dos EUA teria interrompido “indiretamente”, outro golpe contra o jovem emir do Qatar, Xeique Tamim al-Thani, orquestrado por Mohammad bin Zayed, príncipe coroado de Abu Dhabi, com a ajuda do exército de mercenários de Eric Prince da Blackwater/Academi, nos Emirados Árabes Unidos. Zayed é nada menos que o mentor de MBS.

Nossa fonte esclarece: “os eventos estão conectados. Prince é CIA, mas provavelmente conteve qualquer atentado contra o Qatar. A CIA bloqueou o golpe no Qatar e os sauditas reagiram derrubando o eleito da CIA, Mohammed bin Nayef, que deveria ser o próximo rei. Os sauditas estão assustados. A monarquia está em dificuldades, porque a CIA pode pôr o exército na Arábia contra o rei. MBS fez um movimento defensivo.”

A fonte acrescenta que “MBS está caindo por todos os lados. Iêmen, Síria, Qatar, Iraque, etc. são, todos esses, fracassos de MBS. China também não está satisfeita com MBS, que está criando problemas também em Xinjiang. A Rússia não pode estar satisfeita com o a evidência de que MBS esteve e continua por trás dos baixos preços do petróleo. Quem são seus aliados? Só tem um, seu próprio pai, que não se pode dizer que seja competente.” O rei Salman está virtualmente incapacitado, vítima de demência.

A fonte é muito clara: “É muito possível que a CIA aja contra a monarquia na Arábia Saudita.” É como dizer que a guerra entre o presidente Trump e setores seletos do estado profundo nos EUA subiriam a um nível completamente novo.
E para complicar ainda mais o quadro, há o fator Jared da Arábia. Não há o que faça qualquer ator insider sério confirmar qualquer coisa sobre o golpe (abortado) no Qatar. Mas se esse golpe realmente aconteceu e foi abortado, Jared Kushner pode ter recebido informação interna, considerando suas conexões.

Segundo a mesma fonte, “Jared Kushner está essencialmente falido na Quinta Avenida 666, e carece da ajuda financeira dos sauditas. Nessa situação, está fazendo tudo que os sauditas mandam. 666 Fifth está em tão péssima situação financeira, que nem o sogro pode resgatá-lo.”

http://bit.ly/2tiGSnH
Operação Húbris do Deserto 
Essa complexa sucessão de eventos realmente confirma o famoso memorando de dezembro de 2015 da inteligência alemã (BND) –, segundo o qual a Casa de Saud adotara “uma impulsiva política de intervenção”, com o então ministro da Defesa, príncipe coroado MBS, um “jogador”, a qual sem dúvida geraria graves problemas.
O memorando da inteligência alemã detalhava o moco como a Casa de Saud, na Síria, financiara a criação do Exército da Conquista – basicamente a Jabhat al-Nusra, codinome al-Qaeda na Síria ressuscitada – bem como o grupo Ahrar al-Sham, irmão ideológico desses todos. Tradução: a Casa de Saud ajuda, apoia e arma o terrorismo salafista-jihadista. E isso num regime que agora acusa o Qatar de fazer o mesmo (Doha apoiou grupos diferentes).
No Iêmen, a inteligência alemã preocupava-se porque a guerra de MBS contra os houthis e o Exército do Iêmen só interessava à al-Qaida na Península Arábica [ing. al-Qaeda in the Arabian Peninsula (AQAP)]. Agora, a guerra de MBS – guerreada com armas norte-americanas e britânicas – também já provocou catástrofe humanitária horrenda.

Como é possível que um ignorante arrogante sujo doente de húbris como MBS tenha chegado tão perto de incendiar todo o sudoeste da Ásia? E não só o sudoeste da Ásia: ondas de desespero começam a chegar aos círculos de investimento ocidentais, ante o risco que de MBS e suas ações de tiroteio ensandecido para todos os lados rapidamente destruam incontáveis poupanças para aposentadoria por todo o espectro.

Para compreender é preciso conhecer alguns detalhes. O que se tem hoje é o 3º Reinado saudita – fundado por Ibn Saud em 1902, mantendo sempre a mesma aliança tóxica com os clérigos wahhabistas trogloditas. Ibn Saud governou só Najd no início; depois, em 1913, anexou a Arábia Ocidental xiita (onde está todo o petróleo), e em 1926, Hejaz, na costa do Mar Vermelho. Um Reino da Arábia Saudita “unido” só começou a existir em 1932.

Ibn Saudi morreu em 1953. A mais influente de seu harém de esposas foi, pode-se dizer assim, Hassa al-Sudairi. O casal teve sete filhos. O rei Salman (hoje consumido pela demência senil), Nayef e MBS são Sudairis. MBS é o primeiro dos netos de Ibn Saud com real possibilidade de chegar ao trono.

Alguns outros príncipes são mais competentes que MBS. Nayef, serviu durante muito tempo como ministro do Interior, foi o czar saudita do contraterrorismo (o que fez dele queridinho da CIA). Há Mitab bin Abdullah, ministro da Guarda Nacional da Arábia Saudita; o notório príncipe Turki, ex-chefe de inteligência, ex-embaixador nos EUA e ex-melhor amigo de Osama bin Laden; e Khaled bin Faisal, governador de Meca e ex-ministro da Educação.
MBS está apostando tudo na sua “Visão 2030” – que em teoria poderia empurrar a economia saudita para além da monocultura do petróleo, mas implica uma modernização política virtualmente impossível: afinal de contas, a House of Cards [literalmente: “castelo de cartas”] saudita é não reformável. Considere-se a lista cômica, das 13 ‘exigências’ agora impostas ao Qatar – serviço de MBS – incluindo a belicosa virtual excomunhão do Irã e o fechamento da rede al-Jazeera.

Não é surpresa que praticamente todos os grandes atores geopolíticos estejam trabalhando já em cenários de guerra – embora só a Alemanha tenha exposto oficialmente essas preocupações. O Qatar é observador na OTAN. Doha já decidiu que não se curvará às absurdas ‘exigências’ dos sauditas. O que virá a seguir? MBS – o mais perigoso “líder” de todo o quadro geopolítico hoje – se deixará humilhar? Ou lançará mais uma guerra alucinada, pervertida, que ele jamais vencerá e que, dessa vez, convulsionará todo o planeta?

Este artigo encontra-se em: FOICEBOOK http://bit.ly/2tiGTYN

Anúncios