Ode às vítimas dos incêndios…

Ode às vítimas dos incêndios…
Guardarei um punhado da terra queimada
num lugar sagrado da minha memória dorida
onde se ouvem os gritos da dor do fogo
e os ecos do estertor da morte.
E as cinzas das árvores e das vidas perdidas
naquele incêndio que não tinha fim
ficarão para sempre sepultadas
no coração do meu jardim…
Alexandre de Castro
Junho de 2017
Nota: o meu contributo para a página do movimento “um activismo por dia”.
2017 06 25

Este artigo encontra-se em: Alpendre da Lua http://bit.ly/2rQqAyb

Anúncios