Nossa única arma será a palavra, o prometemos e o cumprimos

No 29 de maio passado se publicou o comunicado da Comissão de Seguimento e Impulso à Verificação e Implementação, CSIVI, no qual se deu a conhecer ao país e ao mundo a folha de rota acordada pelo Governo e as FARC, com o propósito de assegurar o cumprimento dos compromissos previstos no Acordo Final, incluído o relativo ao D+180.

Com relação a este último se acordou que a partir de 1º de junho e até o dia 20 a totalidade dos integrantes das FARC-EP, incluindo as milícias, terá feito deixação de armas e trânsito à legalidade. Se estabeleceu que as Nações Unidas receberão o armamento, o depositarão nos contêineres e certificarão a deixação de armas de cada um dos integrantes das FARC-EP.

Em reunião celebrada dois dias depois se determinou que a deixação de armas se faria em três passos: no 7 de junho os 30%, a 14 de junho mais 30% e a 20 de junho os restantes 40%. Pois bem, no dia de hoje, em todas as zonas veredais e pontos transitórios de normalização, todas as FARC-EP estamos cumprindo com nossa palavra. É o que nos ocupa agora em Caño Indio.

Havíamos pensado em conjunto com o governo nacional celebrar um ato solene aqui, com participação do presidente da República, como clara demonstração ante o mundo dos avanços irreversíveis dos Acordos de Havana. Ocupações do senhor presidente impediram sua presença, o que não obsta para que as FARC anunciemos ao mundo nosso cumprimento.

É o que nos reúne nesta tarde: o começo efetivo de nosso Adeus às Armas. Os 30% de nosso armamento foram postos em mãos das Nações Unidas, que os depositaram em seus contêineres e certificarão em seguida a deixação das armas de cada um de nossos combatentes. Jamais voltaremos a empregar a violência, nossa única arma será a palavra, o prometemos e o cumprimos, sem pesares nem prantos.

O emprego das armas possibilitou o Acordo Final que democratizará a Colômbia e trará justiça a seu povo. Delas já não necessitaremos mais. O povo colombiano conquistou um escalão superior no reconhecimento de sua condição humana e política. Sabemos que não deixará que se lhe arrebatem de nenhum modo. Quem o intente perecerá politicamente, a paz é de todos.

Agradecemos a diligência mostrada pelo governo do presidente Santos na expedição dos decretos e o trâmite das leis que garantirão nossa segurança física, jurídica e socioeconômica, assim como a posta em marcha dos diferentes mecanismos de Verificação e Acompanhamento Internacional. Assim blindamos a paz para que ninguém possa impedi-la.

Nos espera uma luta política aberta e legal, avançamos para ela confiados na sabedoria do povo colombiano e sua decisão firme de isolar os porta-vozes e artífices da guerra e da violência. Graças a sua luta está nascendo uma nova Colômbia e nos sentimos orgulhosos de ser parte dela. A história reconhecerá a enorme dimensão deste passo.

Estado-Maior Central das FARC-EP

Anúncios