Greves – credo..

O capital sabe que de pequenino é que se torce o pepino

O Ministério da Educação argentino enviou às escolas públicas do país manuais de redação com conteúdos que se posicionam contra os direitos à greve e às manifestações sociais. Os livros trazem um texto adaptado do jornal Clarín, que critica uma greve de trabalhadores, como exemplo do uso de formas linguísticas.

O editorial de 2004, “Um protesto que prejudica o Congresso”, classificava como “inadmissível” a paralisação do Congresso Nacional perante uma greve dos trabalhadores. O texto ainda destacava que manifestações eram uma forma de “entorpecer a democracia” e considera os atos dos manifestantes como fora da lei.

Os livros didáticos destinados a estudantes do 6º ano ainda trazem uma história em quadrinhos onde um homem de fato e gravata repreende um operário que estaria se manifestando.

Os professores repudiaram a atitude do Ministério da Educação e afirmaram que se trata de uma “mercantilização” do ensino. Os docentes ainda disseram que episódios como esse evidenciam a visão “tendenciosa” do governo de Mauricio Macri perante os trabalhadores e a educação pública.

O presidente da União dos Trabalhadores da Educação (UTE), Eduardo López, criticou o atual ministro da Educação, Esteban Bullrich, dizendo que existe muito interesse privado na educação para que se formem alunos consumidores. “O jovem é um sujeito de direito, não um objeto de consumo e, tampouco, um de doutrinamento para o governo”, disse.

Este artigo encontra-se em: FOICEBOOK http://bit.ly/2spxXhf

Anúncios