Guarda Costeira Europeia: um novo passo no ataque à soberania

A constituição da Guarda Costeira Europeia, mesmo admitindo que aqui e ali serão burilados alguns «bicos» para amenizar as criticas, constituirá um passo que entrará, mais cedo do que tarde, pela plataforma continental portuguesa.
***«»***
Eu já escrevi por aqui que Angela Merkel tem um olho apontado para Zona Exclusiva Económica (ZEE), de Portugal, a mais extensa do mundo e que possui uma riqueza de recursos naturais, que Portugal, por desleixo, incompetência ou inércia, não quer, não pode ou não sabe explorar. Minérios e petróleo jazem esquecidos no fundo do oceano, e, além disto, a importância estratégica, que a ZEE nacional potencialmente possui, é de valorizar. Alguém dizia, há dias, que, se Portugal explorasse a sua ZEE, poderia ser um dos países mais ricos do mundo. Mas os nossos governantes andaram (e ainda andam) deslumbrados com o canto de sereia da Europa Unida, e vão, em Bruxelas, assinando tudo que vai hipotecar a nossa soberania, no futuro próximo, assumindo  aquela “parola” postura de que Portugal tem de ser o melhor aluno da Europa.
Eu lancei aqui um aviso, em relação ao perigo de Portugal perder a soberania sobre a sua ZEE, quando Angela Merkel, há uns meses, afirmou que a gestão dos mares deveria ser centralizada na Comissão Europeia. E os políticos do nosso descontentamento e os comentadores dos jornais e das televisões calaram-se, numa manobra suja de submissão ao que diz a czarina da Europa, Angela Merkel, para quem a UE é o instrumento fundamental para sustentar o poderio económico e político da Alemanha.
A criação de uma Guarda Costeira Europeia é o primeiro passo na estratégia de retirar a Portugal a gestão sobre o seu mar.
A tentação federalista está a caminho, por etapas cautelosas, para não levantar alarmes. Mas o saque vai continuar.
Alexandre de Castro
2017 06 11

Este artigo encontra-se em: Alpendre da Lua http://bit.ly/2scpEHr

Anúncios