Um estado dentro do próprio Estado

OS magníficos CMEC(s)
Heloisa Apolónia Chamou-lhe um Estado dentro do próprio Estado . Não estamos a falar do Vaticano nem do papa , mas sim da EDP ,e do seu papa Mexia.
Agostinho Lopes demonstrou na AR as razões por que a EDP era intocável. Mostrou a fotografia com os rostos do Conselho Geral da EDP . Uma fotografia impressionante de cabeças coroadas do PSD, PS e CDS. Uma representação  monumental do bloco central dos negócios capaz de entrar no gabinete de um qualquer ministro de um qualquer governo …do bloco centra ! Ainda nos lembramos das  reveladoras  e ridículas imagens de Catroga atrás de António Costa . O PCP viu anos a fio as suas propostas serem chumbadas , pelo PS,PSD e CDS . Tudo claro.
Mas a EDP não tem só o Conselho Geral para ” pressionar ” Tem também a  arma dos anúncios de página inteira. Uma imprensa com grandes débitos à banca e em má situação financeira não ousa enfrentar tal Cliente , que é também Mecenas e até tem uma Fundação com museu…
Por isso a conferência de imprensa  da EDP decorreu sem sobressaltos como se os jornalistas fossem doces cordeirinhos…
Esta história da EDP começou com Cavaco com a sua preparação para a privatização , teve o seu auge com Sócrates , continuou comPassos que  diminuiu  alguma da renda para Troika ver mantendo o essencial das rendas…
No governo de Sócrates  “Manuel Pinho representou a decisão tomada em Conselho de Ministros no dia 15 de março de 2007, que alterou o decreto-lei de 2004, fixando o preço das compensações a pagar à EDP em 50 euros o megawatt/hora (Mwh), ao contrário dos anteriores 36 euros por MWh. 
Segundo o comunicado da EDP, à operação de “ obtenção de elementos documentais relacionados com os referidos procedimentos”  a administração da empresa “deu instruções específicas e muito claras no sentido de ser facultado aos investigadores o acesso irrestrito a toda a informação ”. . O Ministério Público (MP) confirmou depois que foram constituídos quatro arguidos numa operação realizada no âmbito de um inquérito a eventuais crimes de corrupção e participação económica em negócio na área da energia. Além dos presidentes da EDP e da EDP Renováveis, foram constituídos arguidos o administrador da REN e antigo consultor do ex-ministro Manuel Pinho, João Faria Conceição, e Pedro Furtado, responsável de regulação na empresa gestora das redes energéticas. Segundo a nota, foi recolhida vasta documentação e informação digital nas buscas realizadas às sedes da EDP, REN e da consultora The Boston Consulting Group. “As investigações prosseguem, estando em causa factos suscetíveis de integrarem os crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e participação económica em negócio”, adianta na mesma nota. Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a REN esclareceu hoje que “o inquérito que subjaz às buscas [da Polícia Judiciária] abrange o período entre 2004 e 2014 e estará relacionado com a introdução no sistema português dos designados CMEC.

Este artigo encontra-se em: FOICEBOOK http://bit.ly/2s0SOtX

Anúncios