Esta fotografia não fui eu que a tirei…

Esta fotografia foi tirada pela Francisca, filha do meu camarada Daniel. A manhã era descomprometida de qualquer objectivo político e da sua candidatura e por isso concentrei toda a minha preocupação em saber operar com a minha nova “Sony” e a Francisca foi preciosa nessa minha fixação.
Para o zoom, eu nem sabia onde ficava o botão.
“Espectacular!” exclamava a Francisca enquanto focava.
“Espectacular!” dizia-me a mim mesmo ao visionar a foto acabada de tirar. Dali, à distância da partida, ia exactamente a distância da prova: 1000 metros, da Praia de Santo Amaro à Marina de Oeiras, uma travessia a ser feita a nado.
Sobre a prova, há outro lugar para falar dela.

Falemos então do que aqui assiste: as lições sobre fotografia; as festas dispensadas àquele “labrador,
chocolate” que correspondeu ao mimo com a reconhecida sociabilidade; aquele riso sobre a timidez dos primeiros e passos de uma criança que passava; aquelas quedas desajeitadas de quem não se equilibrava na prancha… Aquele senhor com idade de reformado, que na mesa ao lado, convencia estar ali o projecto da sua vida; o empregado solicito, simpático, muito provavelmente com contrato precário…
O resto, foi a espera pelo desenrolar da prova.

E, já agora, esta foto é minha!

Este artigo encontra-se em: CONVERSA AVINAGRADA http://bit.ly/2q76qPT

Anúncios