LÍDER HISTÓRICO DO PCP GARANTE QUE PARTIDO NÃO SERVIRÁ DE SUPORTE AOS SOCIALISTAS: Álvaro Cunhal acusa PS de se distinguir de PSD pela «forma mais subtil de mentir»

(Notícia publicada a 07 de Março de 2001 no Jornal Público)


Álvaro Cunhal rejeitou esta noite, em entrevista à RTP, que o PCP possa vir a ser uma “peça de suporte do PS”, acusando os socialistas de se distinguirem dos sociais-democratas pela “forma mais subtil de mentir”.


O líder histórico dos comunistas portugueses garantiu que “o PCP não quer ser, nem será, uma peça de suporte do PS”. Cunhal lamentou ainda a “perversão e degradação actual da democracia política”, criticando a lei eleitoral para as autarquias e a lei de financiamento dos partidos.Rejeitando a figura de mito do PCP, Cunhal fez questão de salientar que a sua contribuição “foi sempre inserida no colectivo do partido” e que “o PCP teve muitos outros militantes de grande mérito”, nomeadamente os primeiros dirigentes Bento Gonçalves e Alfredo Dinis.

“O 25 de Abril, a resistência à contra-revolução e depois a resistência à perversão da democracia” foram referidos pelo líder histórico comunista como os motivos de maior orgulho enquanto esteve à frente do PCP.

Cunhal afirmou ainda que continua a acreditar que a “criação de uma sociedade nova e socialista” é possível hoje como era há 80 anos, quando o PCP foi fundado.




In:

Este artigo encontra-se em: Cravo de Abril http://bit.ly/2qkr2ot

Anúncios