ESTAR OU NÃO ESTAR – Fernando de castro branco

ESTAR OU NÃO ESTAR
Deus nem sempre dorme. Como os homens
preza o seu momento eterno. Às três da manhã
segue no rasto da minha insónia e abre-me
os céus como quem escancara as portas
da casa a um velho amigo. Deus existe,
mesmo no chão é possível tocar-lhe. Deu-nos
o vómito e a náusea, o sono e a fuga.
Ser ou não ser, eis uma falsa questão
do ponto de vista deste filósofo
de Domingo. A estar ou não estar
se resume o meu problema:
ontológico ou topográfico, não sei bem,
nem me preocupa muito.
Deus existe no que é e no que não é,
bode expiatório por acção ou omissão.
Tudo isto que apodrece
nada tendo a ver comigo
só pode ter sido culpa dele.
fernando de castro branco
Fernando de Castro Branco (Duas Igrejas, 1959). Professor, poeta e ensaísta. Publicou Poética do Sensível em Albano Martins (2004), Alquimia das Constelações (2005), O Nome dos Mortos (2006), Biografia das Sombras (2006), Estrelas Mínimas (2008), Plantas Hidropónicas (2008), A Carvão – Poesia Reunida (2009). Também publicou poemas e ensaios em revistas literárias e antologias temáticas dentro e fora do país.

Este artigo encontra-se em: voar fora da asa http://bit.ly/2pA9Zhj

Advertisements
%d bloggers like this: