“Contra todas as evidências” – Manuel Gusmão

Quem pode ser no mundo tão quieto
Que o não movem nem o clamor do dia
Nem a cólera dos homens desabitados
Nem o diamante da noite que se estilhaça e voa
Nem a ira, o grito ininterrupto e suspenso
Que golpeia aqueles a quem a voz cegaram
Quem pode ser no mundo tão quieto
que o não mova o próprio mundo nele
Manuel Gusmão
De: “Contra todas as evidências”
VIII – Tudo parece ter outra vez começado

Este artigo encontra-se em: voar fora da asa http://bit.ly/2pNIIbR

Anúncios